Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Acessibilidade > Sem Categoria > Com o tema “Na luta de classes não há empate: assistente social, profissional em defesa das liberdades democráticas”, a Secretaria Municipal de Assistência Social, por meio do Centro de Referência de Assistência Social comemorou na última sexta-feira (19)
Início do conteúdo da página

Com o tema “Na luta de classes não há empate: assistente social, profissional em defesa das liberdades democráticas”, a Secretaria Municipal de Assistência Social, por meio do Centro de Referência de Assistência Social comemorou na última sexta-feira (19)

Criado: Domingo, 21 de Maio de 2017, 00h45 | Publicado: Domingo, 21 de Maio de 2017, 00h45 | Última atualização em Sexta, 23 de Março de 2018, 13h16

O Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) de Tocantinópolis comemorou nesta quinta-feira, dia 18, no hall na Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer, o Dia Nacional de Luta Antimanicomial. O evento contou com palestra, peça teatral, corte de cabelo, e avaliação postural e nutricional, e teve como parceiros a Prefeitura e Secretaria Municipal de Saúde.

De acordo com a coordenador do CAPS em Tocantinópolis, Antônia Pereira, o objetivo é vencer o preconceito e mostrar à sociedade a importância da luta antimanicomial, que visa desinstitucionalizar o tratamento de pessoas com transtornos mentais por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), além de sensibilizar a população para se engajar na campanha contra o isolamento de pessoas em manicômio.

“Esse foi um dia de luta contra o preconceito que essas pessoas ainda sofrem por parte da sociedade. Há muito tempo o manicômio tem sido considerado o principal local onde se internam os loucos para “tratamento”. O manicômio é local inapropriado para esse cuidado, na medida em que exclui, segrega e muitas vezes tortura esses pacientes, aumentando o sofrimento e mantendo o indivíduo em um estado de sofrimento ainda maior”,ressaltou Antônia Pereira.

Após muitas lutas os centros conseguiram construir modos de cuidar que substituem totalmente o manicômio, através de um tratamento onde a pessoa fica mais próxima de sua família e da própria comunidade, usufruindo de serviços especializados para esses cuidados, sempre tratando os usuários com respeito, tendo como função o resgate da cidadania e a inclusão social, no entanto, essa luta ainda está acontecendo.

18 de Maio

O Dia Nacional da Luta Antimanicomial foi instituído após profissionais da saúde mental, cansados do tratamento desumano e cruel dado a usuários do sistema de saúde mental, organizarem o primeiro manifesto público a favor da extinção dos manicômios durante o II Congresso Nacional de Trabalhadores da Saúde Mental realizado em 1987, na cidade de Bauru/SP. Naquela manifestação, nasceu o Movimento Antimanicomial.

Fonte: Dirceu Leno / Ascom Prefeitura

Fim do conteúdo da página